Quebra-cabeça: história “As três partes”

A arte e a matemática se entrelaçam, o que torna instigante
as experiências de ensino-aprendizagem nessas áreas de conhecimento na educação infantil.

Nesse artigo estamos apresentando o resultado de uma proposta de trabalho, que sugerimos em um post anterior, clique no link abaixo e conheça essa dica super bacana, a qual pode ser aplicada em turmas de crianças de três anos em diante:

Dica rápida: Criando a partir da história “As três partes” de Edson Luiz Kozminski

Mas, antes gostaríamos  de  ressaltar que ao longo da história “As três partes” as imagens vão se constituindo a partir de três formas geométricas como se fosse um quebra-cabeça que com poucas peças oferece muitas possibilidades de criação. Desse modo, as autoras Smole, Diniz e Cândido, no livro “Figuras e formas” mostram que o “[…] fundamento dos quebra-cabeças é construir um desenho a partir de uma coleção de peças menores[…]” e ao fazer isso a criança descobre relações entre as partes e o todo. Além disso,  descrevem que ao se propor atividades com quebra-cabeças é possível  o desenvolvimento de habilidades espaciais e geométricas como:

  • visualizar, reconhecer e analisar as características das figuras;
  • observar os movimentos que mantêm essas características;
  • compor e decompor figuras;
  • perceber as posições e as distâncias;
  • enriquecer o vocabulário geométrico;
  • organizar o espaço por meio da movimentação das peças que compõe o quebra-cabeça.

E, pensando nisso, que em uma turma de crianças de cinco anos, cada uma delas receberam as três formas geométricas da história “A três partes”, e antes mesmo de conhecer a história, elas foram estimuladas a criar figuras, vejam o que elas produziram:

  

Posteriormente essa mesma turma, conhece a história e é orientada a construir com aquelas três formas a figura que mais gostou na história, agora vejam o que produziram:

Uma resposta para “Quebra-cabeça: história “As três partes””

  1. Regina Jordão disse:

    Qual foi a história escolhida para os alunos representarem através de desenhos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *